terça-feira, 4 de setembro de 2007

O ÁS NO VOLANTE!

Existem ases no volante em todas as classes sociais, este é apenas um exemplo...

Aylson Piquê Sena da Silva, filho de um fanático torcedor da Fórmula 1, nasceu como todos nós: quase careca, pelado e, principalmente, inocente...
A vida não lhe deu bons exemplos, o trânsito caótico da grande cidade... Tornou-se, então, um motorista, eu não diria típico, mas, não raro.
Transformava-se, à bordo de seu "poçante" (haja óleo) no "ás no volante", irritava-se com tudo e com todos.
Acreditava que todos saíam às ruas para "atrapalhá-lo". A buzina era o acessório mais utilizado, aliás, dirigia só com uma das mãos, a outra estava sempre descansando sobre ela.
Tinha um tempo de reação comparável ao de grandes atletas no "tiro de largada", na mudança do sinal vermelho para o verde, a pressão na dita cuja era quase instantânea.
Não dava passagem a ninguém e xingava quem não lhe desse passagem. Não admitia ser ultrapassado! acelerava e fechava seu "oponente".
Um dia, retornando de suas merecidas férias estava sossegado, ouvia sua música no último volume e seguia rumo ao escritório. Um carro que vinha logo atrás deu um toque de buzina, visto que, o folgado estava devagar e na faixa da esquerda, Aylson apenas ignorou...
Então aquele motorista decidiu ultrapassá-lo pela direita mesmo, imediatamente o ás no volante acelerou e fechou o coitado que surpreendido pelo ato insano não conseguiu frear...
Conclusão: discussão e, se não fosse a "turma do deixa disso" seria agressão... Chegou então o ás atrasado no primeiro dia de trabalho após suas férias.
Entrou na sala de seu supervisor para justificar seu atraso e encontrou seu colega de sala.
O que você está fazendo aqui? O Carlos não chegou ainda?
O Carlos foi demitido semana passada, o novo supervisor ligou pra mim da rua avisando que vai chegar um pouco atrasado, ele pediu para eu ficar um pouco aqui até ele chegar.
O que aconteceu com ele?
Ele se envolveu num pequeno acidente aí com um idiota e teve de levar seu carro na oficina...

3 comentários:

Claudio Costa disse...

O esperto tropeça na própria esperteza. O arrogante despenca de seu orgulho. O ignorante perde pela própria burrice. Ô mundo, sô!

Márcia(clarinha) disse...

Nossa!
Quem sabe agora o ás [tão esperto] aprenda a lição?
Gostei muito do conto.
lindo dia meu amigo
beijos

Ordisi Raluz disse...

Porisso prefiro helicóptero, hehehehe...

Abraços velozes.