terça-feira, 6 de novembro de 2007

Relógio

Andar pra frente, andar a pé...
Exceto a ré, lógico movimento...
Os relógios só marcam o tempo?
Escravizam ou padronizam a todo momento
Giram os ponteiros como rodas de vento
Giram num giro que não tem fim
Quantos giros ainda dará para você ou para mim?
É lógico o tempo do relógio biológico
Numa loja de relógios, logicamente, ninguém sabe ao certo...
Qual daquelas é a hora certa.

3 comentários:

Saramar disse...

Quem saberá estas respostas?

Gostei muito do poema que, além da beleza da construção, nos leva à reflexão sobre o tempo.

beijos

Márcia(clarinha) disse...

Que hora é essa?
A certa é aquela que nos dá prazer de ser...seja em que hora for [aff! embolei tudo né? rss]
dias lindos, amigo
beijos

Paulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.