sábado, 27 de dezembro de 2008

"Desejo" de SERGIO JOCKYMANN

"Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconsequentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas a medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga "Isso é meu",
Só para que fique bem claro quem é dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E que quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar".

IMPORTANTE: esta poesia, de autoria de Sergio Jockymann, publicada em 1980 no Jornal Folha da Tarde, de Porto Alegre-RS, circula na internet como sendo de autoria de Victor Hugo.

sábado, 8 de novembro de 2008

Por quê?

Nos momentos mais difíceis da minha vida tu me deixaste...
É estranho... Isto foi um alívio, foi necessário.
Outras vezes, eu quis expulsar-te, mas tu insististe em ficar...
É triste, mas, isto me fez mal.
Agora já não brigo mais contigo, deixo-te ir ou ficar.
Não me sinto mais culpado quando tu ficas, nem envergonhado quando tu vais...
Eu sou assim... Nem melhor... Nem pior... Esse é o meu jeito.
Lágrima minha, fica à vontade de agora em diante.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Colheita e Plantação

Plantei um sorriso, colhi amizade
Plantei solidariedade, colhi gratidão
Plantei caridade, colhi felicidade
Plantei uma canção, colhi emoção
Plantei honestidade, colhi dignidade
Plantei carinho, colhi um abraço
Plantei um beijo, colhi um "amasso"
Bastante seria plantar amor para colher tudo isso...

domingo, 14 de setembro de 2008

Nenhum

Sentado diante de uma escrivaninha iluminada pela luz de uma velha luminária pus-me a escrever...
Perguntei-me: Será que a inspiração de outrora me havia deixado? Por que demorava tanto para postar novamente?
Uma vez uma amiga havia dito que sua fonte secara e que deixaria de escrever... Ledo engano...
Então minha esperança é que a água volte a fluir em minha fonte em breve!
Enquanto isso fico aqui a saciar minha sede com as águas cristalinas das suas fontes, amigos da blogosfera.

ps.: É bom escrever assim, sem o compromisso profissional...

domingo, 24 de agosto de 2008

Pequim 2008

...E o menino assistiu alucinado aquele homem nadar como um golfinho e ganhar 8 medalhas de ouro!
_ Ele mora no fundo do mar? perguntou à sua mãe. Não meu filho, respondeu ingênua, ele é assim como nós, ele é um ser humano normal...
_E esse negro gigante que brinca de correr e quase voa! e chega na frente de todos e desacelera e ainda assim supera o recorde mundial!?
_E essa mulher que salta mais de 5 metros apoiada nessa vara flexível?
A mãe olhou para o filho e disse: _Eles são pessoas especiais, com habilidades especiais, a maioria de nós não conseguiria chegar a este nível, mas devemos nos esforçar para descobrirmos nossos dons e tentar sempre fazer o melhor que pudermos...

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Faz tempo!...

Já faz seis anos que o Brasil foi penta!
Já faz dois anos que eu fiz quarenta!
Agora, pra quem pensa que sou daqueles que tenta, tenta, cansa, e depois senta... eu digo:
Apesar do tempo decorrido, estou bem, tenho corrido quarenta quilômetros por semana! Se bem que, minha mãe sempre me disse que esse negócio de correr não me levaria a lugar nenhum... É verdade... talvez eu devesse deixar de correr no Parque... é que lá eu corro em círculos... assim é difícil mesmo chegar a algum lugar.
É lógico que minha mãe nunca me disse aquilo, logo ela, que aos 75 anos, faz ginástica e yoga!
A maturidade nos ensina que às vezes é bom correr e às vezes é melhor ainda ir bem devagar.
A maturidade nos ensina que é bom investir no nosso marketing pessoal...

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Amigos

Há os reais
Há os virtuais
Os reais são pra toda hora
Os virtuais, pra todo lugar
Há os discretos
Há os engraçados
Os discretos são aconchego
Os engraçados, alegria
Uns sempre cobram minha presença
Outros aproveitam minha amizade mesmo à distância
Há aqueles que sabem de mim mesmo sem ouvir uma palavra
Há os que sempre pedem ajuda
Há os que sempre ajudam
Há os temporários, você sabe que o tempo os levará para caminhos distantes do seu... O que não impede que, no futuro, os caminhos voltem a se cruzar.
Há os definitivos, você sente que nada pode distanciá-los, são como irmãos nascidos em outra casa.
São todos amigos. A amizade é um bem inestimável por isso deve ser cultivada por toda vida.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

18 de junho de 2008 - Cem anos da Imigração Japonesa no Brasil

Cem anos de história! Esta é a Família Miura. Meus avós maternos, no centro da foto, foram pioneiros da imigração japonesa no Brasil. Eles chegaram no primeiro navio, o Kassato Maru, que aportou em Santos no dia 18 de junho de 1908.
Junto deles, seus filhos, todos nascidos no Brasil e sentada com o bebê no colo, a primeira nora.
Minha mãe, hoje com 74 anos, é a criança sentada ao lado de minha avó com a boneca no colo.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

1.º Aniversário

Caros amigos

Neste 29 de maio de 2008 este blog faz aniversário. Muito obrigado pela companhia. É muito bom compartilhar meus escritos com todos vocês.

De repente...

...e a fonte secou...
A idéia despencou...
Ao fundo... ao nada
A alma está calada
A emoção é vil...
A lágrima nem caiu
A imagem refletida, às vezes, irradia...
Algo que não deveria
São, as virtudes, natas?
Até que ponto podem ser metas?
Há virtude sem atitude?
Como fugir da armadilha da hipocrisia?

quinta-feira, 8 de maio de 2008

O Frio

Às vezes o frio entristece
Lembranças do tempo de criança
Infância sem posses...
Ingênua esperança
Às vezes o frio fortalece
Exemplo seguido, cabeça erguida
Solidariedade que aquece
Humildade e dignidade, exemplos de vida

quinta-feira, 24 de abril de 2008

"Quase!"

No dia 14 de março de 2008 postei um texto recebido via e-mail atribuído a Luís Fernando Veríssimo intitulado “Quase”, eu o postei com o título: ”Pensamentos Centrados de Luis Fernando Veríssimo.”
Como sempre faço, fui ao Google e procurei o texto para averiguar a autoria, e a minha pesquisa encontrou várias páginas atribuindo este texto ao Luis Fernando Veríssimo. Não tive dúvida, postei-o entre aspas como o nome do “autor” em negrito.
Há uma semana, assistindo a uma entrevista com o renomado escritor, descobri que o texto não era dele. Ele contou que muitas pessoas já o elogiaram por conta do “Quase”, uma senhora declarou que odiava tudo que ele escrevia até ler, na internet, um texto que adorara, o “Quase”, uma turma de formandos o convidou para ser seu patrono e na última página do caro catálogo de formatura, como uma homenagem a ele, lá estava, inteiro, o “Quase”. Ele não teve coragem de desiludir a garotada.
O mais impressionante desta história foi que uma escritora francesa reuniu numa coletânea textos e versos de brasileiros, entre os quais Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, e lá estava o Quase "de Verissimo", que na tradução virou Presque. O cronista gaúcho ganhou o volume da própria autora no Salão do Livro de Paris.
A verdadeira autora é Sarah Westphal Batista da Silva, a “saga” de seu texto começou em abril de 2002, numa sala de aula em Florianópolis. E a "inspiração" para a escrita não foi das melhores: "um grande fora" de um rapaz com quem ficava havia três semanas. No dia seguinte à separação, durante uma aula de Português no cursinho, a professora escreveu no quadro a transcrição fonética da palavra quase: /kwaze/.
– Na hora em que olhei aquilo escrito no quadro-negro pensei: "meu Deus! eu odeio esta palavra!" – afirma.
Um segundo depois, pôs-se a escrever a crônica Quase, como um desabafo e para expurgar a palavra maldita. Afinal, quase houvera um namoro, quase tudo dera certo. Terminado o texto, Sarah passou o caderno às amigas, que leram e gostaram. Um mês depois, encorajada por elogios, deu o mesmo caderno para o professor de redação ler a crônica em voz alta para a turma. Foi um sucesso. As pessoas começaram a pedir o texto. Sarah o enviou por e-mail. A partir daí, não se sabe mais nada.
– O que eu sei é que um ano depois, mais ou menos, uma amiga apareceu lá em casa com o texto com a assinatura do Verissimo! Achei aquilo esquisitíssimo. Em seguida, um monte de gente veio dizer que tinha recebido um e-mail com o Quase assinado pelo Verissimo – afirma.
Sarah conta que ficou envergonhada, pois depois de um certo tempo já não gostava mais do texto e não o achava digno de um escritor do talento de Luis Fernando Verissimo. Hoje, mantém a opinião, com arroubos de autocrítica, apesar do elogio que o próprio cronista fez à redação em sua coluna no jornal Zero Hora.
– Acho o texto primário, previsível e o fim é meio brega. O português é muito caseiro, breguinha. Mas, quando o escrevi, fez muito sentido para mim. Era muito bonito – diz Sarah.
Certo dia, entrou na comunidade do escritor gaúcho no Orkut e viu o relato de uma leitora. A internauta dizia que só passara a acompanhar Verissimo na imprensa depois de ter lido o Quase. Sarah respondeu ao comentário afirmando ser ela a autora do texto. A maioria não acreditou.
O fato é que ela já nem liga mais por não receber os elogios do famoso texto. Há poucos meses, caiu-lhe em mãos o diploma de formatura de 2004 do antigo colégio, o mesmo em que tempos atrás escrevera Quase. A crônica estava impressa no diploma, com a assinatura de Verissimo.
– O pior é que continuo encalhada. Eu já poderia ter escrito uma Bíblia sobre os foras que já recebi – brinca.

Mais detalhes desta história no link abaixo:
http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=323AZL004

ps.: Já corrigi a injustiça do dia 14 de março de 2008, agora o post está intitulado: “Pensamentos Centrados de Sarah Westphal Batista da Silva”

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Analfabetismo no Brasil

O analfabetismo tem, no Brasil, números impressionantes, são cerca de 15 milhões de analfabetos, isto sem contar os chamados "analfabetos funcionais" aqueles que têm nível de habilidade de leitura e escrita muito baixos, ou seja, conseguem identificar enunciados simples, mas são incapazes de interpretar um texto mais longo ou com alguma complexidade.
Em 2003 apenas 25% dos brasileiros com mais de 15 anos tinha o pleno domínio das habilidades de leitura e escrita.
Algumas iniciativas, apesar de não serem inovadoras, merecem aplauso, como por exemplo do apresentador Luciano Huck que promove o "Soletrando", campeonato brasileiro de soletração.
Dá gosto de ver as crianças no Brasil inteiro empenhando-se, participando das seletivas estaduais até chegar à grande final. É um evento que mobiliza as escolas pelos quatro cantos deste Brasil.
Mas o que cada um de nós pode fazer?
No meu entender são ações simples do nosso dia-a-dia como ajudar alguém próximo a ter acesso à educação, doar livros já lidos, pagar corretamente seus impostos e exercer a cidadania cobrando dos governantes o correto uso do dinheiro público em relação à educação.
Uma de suas armas a favor da erradicação do analfabetismo é o seu voto, pense bem, será que um governo que tem como principal bandeira o assistencialismo quer mesmo acabar com o analfabetismo?

leia também: "ADJETIVO" http://acrosticomania.zip.net

domingo, 6 de abril de 2008

SUFOCO!

Estava fazendo a viagem rotineira naquele trem velho e sujo. Todos os dias era aquele sufoco, pessoas se acotovelando, disputando espaço, aquele calor insuportável, as janelas fechadas.
Num dos túneis o trem parou... As parcas luzes se apagaram, o ventilador de teto parou.
As pessoas desesperadas desceram pelas poucas janelas que ainda funcionavam, até o maquinista abandonou o trem.
Enquanto andávamos na escuridão algo impressionante ocorreu! Vimos a luz no final do túnel e o trem, sem maquinista, começou a andar, e foi embora! nos abandonou!
A central deve controlá-los à distância, eles são como brinquedos de controle remoto.
Sem opção caminhamos, então, até a próxima estação.
Finalmente! ar puro! Só que as pessoas à volta não demonstraram o menor apreço, via-se em seus rostos a indignação e o desprezo...
Pensei então: Como é dura a vida de um pum! Estou farto de ser um fartum!


quinta-feira, 20 de março de 2008

PALAVRAS

Palavras que cuidam
Palavras que ferem
Palavras que animam
Palavras que destroem
Palavras que acalmam
Palavras que ofendem
Palavras sozinhas não dizem nada...
Só dizem tudo ao mesmo tempo...
Se dizem tudo ao mesmo tempo...
O significado esvai-se ao vento
Há aquelas mal acompanhadas
Verbos sem regência, frases desafinadas
Nomes contemplados com complementos errados
Palavras bem amadas formam frases bem casadas
Prosas são palavras ainda acanhadas, poesias são palavras já enamoradas

sexta-feira, 14 de março de 2008

Pensamentos centrados de Sarah Westphal Batista da Silva

"Para os erros há perdão; para os fracassos, chance; para os amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. O romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu."
Sarah Westphal Batista da Silva

quinta-feira, 6 de março de 2008

MULHER

(post participante da blogagem coletiva proposta pela Meire http://www.meiroca.com )

És fascinante como a mágica e seu segredo.
Só o Grande Criador conhece teus mistérios.
Ele não os revela a nós homens para que permaneçamos fascinados buscando entender-te.
Passamos pela vida procurando teu colo, teu abraço, teu abrigo...és a razão de nosso viver.


Mulher, tu és, de Deus, a mais bela criação
Quanta força! Quanta delicadeza! Contradição...
De muitos homens és a salvação, e de outros, a perdição
Deus nos criou sem alvoroço...
Na paz celestial
O homem foi o esboço...
E a mulher é a arte final

Já leu o meu acróstico em homenagem às mulheres? Acesse e leia: http://acrosticomania.zip.net/

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Segue em frente, levanta a cabeça meu irmão

A vida é dor e também amor
É vitória e desilusão...
Segue em frente, levanta a cabeça meu irmão
É ódio e paixão
É prosa e canção
Segue em frente, levanta a cabeça meu irmão
É alegria e decepção
É carinho e agressão
Segue em frente, levanta a cabeça meu irmão
É sorriso de criança, esperança
É grito de adulto, insulto
Segue em frente, levanta a cabeça meu irmão
É o prazer do sexo e a violência sem nexo
É o calor de um abraço e o respeito escasso
Segue em frente, levanta a cabeça meu irmão...

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Minhas aventuras amorosas. De madrugada numa cidadezinha do interior...

Saí pra rua de madrugada...
O vento trazia o sereno que gelava o meu rosto.
Caminhei até o limite da cidade vazia.
Ao longe, as luzes da cidade vizinha piscavam como vaga-lumes no cio, que frio!
Pra piorar a situação começou a chover.
Aí, então, abri os braços olhando para o alto como quem quer abraçar o céu.
No final da rua surgiu uma linda mulher vestida de branco.
Sua roupa molhada colada em seu corpo mostrava um pouco mais de suas curvas estonteantes.
Era ela! Havia conhecido aquela mulher deslumbrante no dia anterior numa festa. Ela era a causa de minha insônia...
Correu em minha direção... excitação!
Corri ao seu encontro...
Quando finalmente nos encontramos... corpos colados, aqueles lábios carnudos a sufocar-me..., de repente, ela começou a agredir-me...
Acordei assustado!, minha mulher batia e gritava: Acorda! Acorda! que você está todo mijado!

ps. Este texto é uma obra (e eu nem obrei...) de ficção. Eu, Paulo, 41 já não faço mais xixi na cama há pelo menos 37 anos.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Breve Relato de um Jovem na Crise de Meia-Idade

Antigamente pensava que a morte era a sorte somente dos bandidos dos filmes e dos monstros do meu imaginário.
Quando somos crianças, adolescentes... adultos inocentes nos julgamos imortais tais como nossos herois...
Caramba!!! chega desse discurso de cunho filosófico-depressivo. Outro dia uma pirralha, que não é minha sobrinha, me chamou de "TIOZINHO"! Quase disse a ela que tiozinho era a santa da mãe dela, que não é minha irmã nem minha cunhada.
Já estão aparecendo os primeiros cabelos brancos, minha mulher, às vezes me manda pintar, às vezes deixa pra lá. Aliás, eu nunca sei o que ela realmente quer, outro dia eu pedi a ela: "Mô" posso dar uma pintada? Ela disse que não... As mulheres têm o dom de dizer não quando a gente mais quer.
Já estão me chamando de "Senhor" nos lugares. Sinceramente, para mim, não há nada de desrespeitoso no "Você", muitas vezes o "você" é mais respeitoso do que o "Senhor" ou "Vossa Senhoria" ou "Vossa Excelência".
Diga-se de passagem, o "Excelentíssimo Senhor" tem um trocadilho engraçado: "Esse Lentíssimo Senhor", ou seja, "Esse Velhinho".
Agora, o cúmulo vai ser o dia em que começarem a oferecer o assento nos ônibus, ou o lugar na fila do banco ou mercado...
Queira Deus que esse dia chegue... não precisa ser rápido não... mas que chegue!

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Sobre mim e você

A luz que me ilumina... seu olhar
O sol que limpa o meu céu... sua língua
Se eu rio... corre para amar-me
Se choro... chora águas exaladas do seu rio
Chove pra fora, chuva salgada...
Sua pele... sua ofegante depois do prazer
Que lazer! fazer amor ao som da chuva lá fora...

domingo, 13 de janeiro de 2008

Por que o tempo passa tão rápido?

Como o dia passou rápido!... Já estamos no meio do ano!... Este ano voou!... você já ouviu isso de alguém? já falou também? Parece-me que esta idéia é senso comum hoje em dia.

Por que temos mais e mais esta sensação? Li dois artigos muito interessantes sobre o assunto. No final do post tem os nomes de seus autores com os respectivos links para quem quiser lê-los na íntegra.

A Noção de tempo

Para a psicóloga Maria Alice Pimenta, professora da UFRGS, a noção de tempo tem muito a ver com a questão de nossa memória e nossas expectativas.

Por isso, penso, não temos noção nenhuma do nosso tempo de bebê, quando somos crianças o tempo custa mais a passar devido às nossas expectativas e quanto mais envelhecemos aumenta a sensação de que o tempo está mais veloz devido à riqueza de informações do passado em nossa memória e a diminuição gradativa das nossas expectativas.

Segundo Airton Luiz Mendonça o cérebro "mede" o tempo por meio da observação dos movimentos dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol. Há outro ponto a considerar: nosso cérebro é extremamente otimizado, ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho, por isso a maior parte de nossas ações diárias é automatizada. Quando você vive uma experiência pela primeira vez ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo, isso acontece, por exemplo, quando estamos aprendendo a dirigir. No início é tudo tão complicado, mas com a prática torna-se algo em que você não precisa mais "pensar" para realizar. Estas ações automatizadas passam despercebidas por nós, ou seja, o que faz o tempo parecer que acelera é a rotina.

Outro fator que desencadeia esta sensação é a ansiedade, hoje em dia somos bombardeados com uma quantidade absurda de informações.

A tecnologia tornou a vida mais ágil, informações que demoravam horas ou até dias para serem obtidas, hoje demoram minutos ou até segundos, mas tudo tem um limite. As pessoas estão cada vez mais pressionadas a fazerem mil coisas durante o seu dia, e aí o tempo não dá mesmo.

Quais seriam, então, as soluções para amenizar esta sensação? Porque o tempo realmente não pára nem espera, muitas vezes ele dispara...

É preciso desacelerar. O teólogo e escritor Leonardo Boff acredita que a única maneira de combater a pressa é por meio de outro paradigma cultural, "que dá mais importância ao ser que ao ter e que integre ser humano e natureza. Dentro do atual paradigma caracterizado pela velocidade e eficiência, só é possível tendo atitudes anticulturais, conscientemente desligar-se dos ritmos impostos, reduzir o uso da TV, do rádio e dos celulares (eu acrescento da internet) vivendo uma vida voluntariamente mais simples e centrada mais no que é necessário.

A mentalidade materialista também é abordada como um dos grandes fatores para o desperdício de tempo no livro "Tempo de Viver" do neurocientista Ivan Izquierdo, do Centro de Memória da UFRGS.
Segundo ele nós vivemos numa sociedade anestésica, perseguindo nossos bens materiais, acabamos nos distraindo do nosso mundo pessoal onde habitam sentimentos, amores, nossas preferências e imaginação. Para Izquierdo, disciplina e saber dizer não são imprescindíveis para aproveitarmos melhor nosso tempo.
Para Airton Luiz Mendonça o antídoto para a aceleração do tempo tem uma sigla: M&M (Mude e Marque).
Mude, fazendo algo diferente, e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registre com fotos.
Viaje sempre nas férias, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte e marque com fotos, cartões postais e cartas.
Tenha filhos, eles destroem a rotina.
Faça festas de noivado, casamento, bodas disso e daquilo, vá a shows, cozinhe uma receita nova, escolha roupas diferentes, tenha amigos diferentes com gostos diferentes, religiões diferentes e que gostem de comidas diferentes... entre muitas outras sugestões.
Particularmente, achei o M&M meio forçado, nem todo mundo tem condições de viver uma vida de viagens, festas, roupas diferentes, shows...etc.
Viver intensamente muitas vezes depende de ações mais simples no nosso dia-a-dia, cada um deve estabelecer suas prioridades com equilíbrio para depois não cair naquela roda viva de stress, ansiedade, depressão...

Marcos Dávila da Folha de S.Paulo

http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u3845.shtml

Airton Luiz Mendonça do Estado de São Paulo
http://pages.apis.com.br/terapiaenergetica/Arquivos%20Selecionados/Porque%20o%20tempo%20parece%20acelerar.htm

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Algumas sugestões para Janeiro...

Republico aqui um acróstico lá do meu outro blog: http://acrosticomania.zip.net/ . São algumas sugestões para o seu Janeiro, Fevereiro, Março..., enfim, 2008, 2009, 2010...

Jogue fora o rancor, o ódio e o mau humor
Ame com todas as suas forças, esqueça o pudor
Não deixe aquela roupa nova guardada num canto escondida...
Esperando uma data especial, especiais são todos os dias da sua vida!
Idealize, imagine, sonhe... mas não deixe de realizar
Ria com seus erros, diga ao menos uma vez ao dia... sem falhar...
Obrigado, Eu te amo, Com licença, Estou muito feliz com a sua presença